Seguro cobre danos causados por fenômenos da natureza?

| Autor: Jeniffer Elaina

Se uma árvore cair sobre o seu carro, os prejuízos podem ser imensos. Por isso, é importante saber se o seu seguro cobre danos causados por fenômenos da natureza. Quer entender melhor esse assunto? Então, leia esse artigo até o final.

Poucas pessoas têm conhecimento sobre todas as coberturas que o seguro auto oferece.

Entre as menos conhecidas, está a cobertura que protege o veículo contra fenômenos da natureza.

São diversos os fatores da natureza que podem danificar um veículo.

Com a temporada de chuvas fortes e o perigo das enchentes, por exemplo, os prejuízos aos automóveis podem ser grandes.

Uma ocorrência comum, neste caso, é a entrada da água no motor,  comprometendo a parte mecânica e elétrica do veículo.

Por isso é tão importante contar com o auxílio de uma seguradora, que se tornará responsável pelos reparos.

O seguro cobre danos causados por fenômenos da natureza?

Quando o seguro cobre danos causados por fenômenos da natureza?

Você pode ficar um pouco confuso em saber quando o seguro cobre danos causados por fenômenos da natureza.

Para que entenda melhor essa situação, vamos explicar.

A cobertura contra raios está incluída na cobertura básica.

Logo, todos os consumidores  que possuem um seguro tradicional podem verificar em sua apólice a proteção contra esse fator.

Então, se um raio cair e provocar danos ao carro, à seguradora será responsável por pagar o prejuízo.

Normalmente, os danos são pequenos, então o consumidor também arca com parte dos valores, por meio da sua franquia.

Outras situações, porém, requerem cobertura completa do veículo, oferecida por um plano Compreensivo.

Ele inclui, por exemplo, as proteções contra roubo, furto ou perda total do carro.

Em todo o caso, na maior parte das seguradoras, a cobertura do seguro para danos da natureza é vendida como uma cobertura adicional.

Ou seja, é preciso contratá-la à parte para que o veículo seja segurado contra esse tipo sinistro.

Caso você contrate essa cobertura, seu carro ficará protegido contra uma série de situações.

Listamos as principais a seguir. Acompanhe!

Alagamentos, enchentes e inundações

Preso em um alagamento ou inundação, um carro pode sofrer os mais variados danos.

Seja no seu motor, lataria, estofamento, carpete…

Quando o carro é segurado, todos os prejuízos são cobertos pela empresa operadora do seguro.

Em todo o caso, quando o proprietário expõe seu veículo a um risco desnecessário, há grande a chance de que a  seguradora recuse  o ressarcimento dos prejuízos.

Uma situação comum é a insistência em trafegar em uma via alagada.

A empresa seguradora desejará saber porque o motorista não retornou pela via e, se constatada a imprudência, poderá haver a negativa de valores.

Granizo

A lataria do veículo costuma ser a mais prejudicada com as chuvas de granizo.

Um seguro Compreensivo ou proteção adicional contra danos provocados pela natureza cobrem o reparo.

No entanto, a seguradora só faz o pagamento dos vidros e para-brisa se a apólice do seguro contar com esse adicional.

Isso significa que o seguro para danos da natureza cobrirá o reparo da lataria, mas dos vidros apenas se houver também a cobertura para vidros.

Vendaval

Vendavais intensos podem prejudicar a lataria do carro, seus vidros, e até provocar acidentes.

Assim, mesmo que eles não sejam muito comuns, é interessante proteger o automóvel contra este risco.

Para a proteção dos vidros, é novamente necessário contratar uma proteção específica, ou os danos para essa parte deverão ser pagos pelo consumidor.

Queda de árvores

Quando não possui seguro contra fenômenos naturais, o consumidor precisa arcar sozinho com o seu prejuízo após a queda de um galho ou árvore.

Em alguns casos, também é possível cobrar os valores da Prefeitura do município, ou mesmo do dono do terreno (no caso da árvore caída estar plantada no espaço).

Em ambas as situações, porém, o processo de ressarcimento costuma ser bem mais trabalhoso.

Terremoto

Apesar de raros e fracos quando acontecem no Brasil, terremotos podem prejudicar um veículo.

Amassando sua lataria, provocando o seu capotamento, entre outros.

Por isso é interessante contar com essa cobertura no seguro auto.

É necessário destacar que as coberturas podem variar de uma seguradora para outra.

Dessa forma, é indicado verificar na apólice do seguro auto quais as proteções oferecidas ao seu carro.

Pode acontecer de a seguradora escolhida cobrir todas as partes do carro dos fenômenos naturais.

Mesmo que isso não seja comum.

Saber quais as especificações do seu seguro permitirá que, se necessário, você contrate outros adicionais.

Custos e regras do seguro contra fenômenos naturais

É possível contratar diferentes seguros automotivos com cobertura contra danos da natureza.

Porém, o valor da proteção do auto depende do risco a que seu carro está exposto.

Cidades com inundações constantes, por exemplo, costumam ter seguros com custo maior.

Existem outras situações em que a seguradora não tem a obrigação de arcar com os prejuízos.

Como nos sinistros relacionados à água salgada.

Geralmente, o contrato não cobre os danos causados pelo percurso do veículo à beira-mar, pois a questão fica prevista no item “riscos excluídos”.

Além disso, os trechos de praia localizados à beira-mar são considerados vias não trafegáveis.

Para conhecer todos os riscos excluídos, é necessário ler a apólice do seguro com cuidado.

Isso mesmo antes da sua assinatura pois, assim, será possível negociar qualquer mudança com a seguradora.

Além disso, vale dizer que o custo do seguro auto varia de acordo com uma série de outros fatores.

Como a proteção para fenômenos da natureza geralmente é adicional, é preciso ter atenção a todos os aspectos da cotação, para obter uma oferta que valha a pena.

Pensando nisso, é importante saber que os fatores avaliados incluem o tipo de carro, perfil do motorista, local de trânsito e mais.

Basicamente, quanto maior o risco de sinistro, mais caro o seguro do carro.

Mesmo assim, é fundamental dizer a verdade à seguradora.

Deixe bem claro à ela quais são os riscos de sinistros do seu carro.

Afinal, após qualquer ocorrência, a empresa verificará se as informações que possui condizem com a realidade.

Caso não, a empresa poderá negar a indenização, alegando fraude por parte do consumidor.

Então, o usuário terá que arcar sozinho com os prejuízos com o carro.

O que é a franquia do seguro?

Com relação aos danos causados pela queda de uma árvore sobre o veículo, o caso se torna indenizável se o dano atingir o valor da franquia do veículo.

A franquia de um seguro consiste no valor de responsabilidade do consumidor no caso de sinistro.

Ela serve para pagar parte do conserto do dano provocado no carro.

Imagine que uma árvore danifique o seu veículo, e o conserto fique em R$ 1 mil.

Como a franquia do seu seguro é de R$ 300, você será responsável por R$ 300 do pagamento.

Já a seguradora irá quitar os R$ 700 restantes para o reparo.

Porém, caso o conserto tenha custo menor do que a sua franquia (de R$ 300, neste caso), o consumidor deverá arcar sozinho com os valores para reparação.

A franquia só é cobrada quando o dano ao veículo é parcial.

Ou seja, quando os custos do seu conserto não são superiores a 75% do valor do carro.

Já quando a perda é total, não é cobrada franquia, e o consumidor recebe a indenização integral do seguro.

A perda total, ou integral, ocorre quando os danos ao veículo superam os 75% do valor de mercado do carro.

Assim, os valores da indenização podem ser utilizados para a compra de um novo automóvel.

A indenização integral também é paga quando o auto é roubado ou furtado, e não recuperado pela polícia.

Como contratar um bom seguro auto?

Na hora de contratar a melhor proteção para o seu carro, é importante seguir alguns passos básicos.

Eles facilitarão que você encontre a melhor cobertura para os seus objetivos. Veja abaixo!

1. Escolha a seguradora

A primeira etapa para a contratação de um bom seguro auto é escolher a empresa que realizará a proteção.

Para isso, é importante pesquisar.

Não apenas a opinião dos consumidores, mas também se a empresa tem autorização para atuar.

Apenas as companhias autorizadas pela Superintendência de Seguros Privados (Susep) podem comercializar seguros no Brasil.

Então, é essencial verificar no site da Susep se a empresa está com sua inscrição em dia.

2. Indique as coberturas desejadas

Para proteger o carro contra tudo o que você precisa, será necessário indicar as coberturas desejadas.

Como contra roubos, furto, incêndio e contra fenômenos naturais.

Tenha a certeza de informar tudo à seguradora, para que a cotação seja feita do modo correto.

3. Cote o seguro

No passo seguinte, você deverá solicitar as cotações do seguro.

Vale a pena realizar cotações com diferentes empresas, pois as seguradoras têm coberturas e preços diferentes.

A pesquisa permitirá que você encontre a melhor oferta de proteção para o seu carro e para o seu bolso.

4. Assine o contrato

Finalmente, você deverá assinar o contrato do seguro para começar a contar com ele.

Mas atenção: lembre-se de ler e compreender cada cláusula.

Após a assinatura da apólice, você terá que seguir cada norma estabelecida no documento, inclusive sobre quando o carro não será segurado (riscos excluídos).

Como acionar o seguro do carro?

Na hora de acionar o seguro, o motorista precisa entrar em contato com a seguradora e informar o ocorrido.

Logo depois, a empresa realizará uma avaliação do carro, liberando a indenização correspondente.

Após o registro do sinistro e a entrega de todos os documentos necessários, a seguradora tem até 30 dias para arcar com o prejuízo. A regra é da Susep.

De qualquer forma, é preciso se atentar para o que está estipulado no contrato do seguro auto.

É importante que, ao fechar o seguro do veículo, o contratante leia com atenção o conteúdo do documento.

Assim, ele conhecerá todas as cláusulas e regras, e poderá utilizar o seguro da melhor maneira possível.

Inclusive contratando outra proteção adicional, se necessário.

Para quem mora em cidades onde os casos de enchentes e alagamentos são constantes, como São Paulo, um seguro que cobre danos causados por fenômenos da natureza é fundamental.

Para locais com riscos menores, vale a pena conversar com o corretor e analisar todas as vantagens da opção.

Pronto! Agora você já sabe quando o seguro cobre danos causados por fenômenos da natureza.

Lembre-se de considerar essa cobertura e de contratá-la para o seu carro!

Assim, você terá a certeza de estar protegido após um sinistro como queda de árvore, de raio ou enchente.

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER:

1 comentário

  • Daniane says:

    Olá,

    Gostaria de sanar uma dúvida, o carro do meu namorado sofreu um dano causado por um raio que atingiu a fiação elétrica da garagem e subsequente o fogo caminhou e atingiu a instalação elétrica do veículo. O seguro cobre esse tipo de situação?

    Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *