Como funciona um plano odontológico

| Autor: Jeniffer Elaina

Está pensando em contratar um plano odontológico, mas não sabe ao certo como esse serviço funciona? Acompanhe este artigo e entenda melhor todos os detalhes sobre o funcionamento do convênio odontológico.

Muitas pessoas se preocupam em ter um sorriso bonito, branco e saudável e, a maioria delas sabe que para isso é preciso ter uma boa rotina de cuidados com os dentes, rotina essa que vai muito além da escovação.

É fundamental visitar um dentista com frequência nesses casos.

O grande problema atualmente é que, ter acesso a profissionais e garantir os cuidados necessários com a saúde bucal pode custar um pouco caro para quem não possui um plano odontológico.

Talvez, por isso, as contratações de convênios odontológicos tenham crescido tanto nos últimos anos, para se ter uma ideia, de 2016 a 2018 foram contratados mais de 2,7 milhões de planos odontológicos no país.

Neste artigo falaremos um pouco mais sobre esse tipo de serviço, qual a sua importância, como ele funciona e quais as vantagens e procedimentos inclusos.

Acompanhe e entenda melhor como funciona um plano odontológico.

Como funciona um plano odontológico

Qual a importância do plano odontológico?

Pense bem, se o acesso ao tratamento público para questões comuns de saúde já é difícil, imagina o acesso a um tratamento odontológico?

É praticamente impossível conseguir um tratamento desse tipo de graça ou mesmo por um preço mais acessível.

Prova disso são os números levantados pelo IBGE que apontam que cerca 11% dos brasileiros nunca foram a um dentista sendo que parte desse percentual corresponde a 2,5 milhões de adolescentes.

Mesmo o Brasil é o país que mais forma cirurgiões dentistas no mundo e possui mais de 300 mil profissionais atuando.

O plano odontológico surge nesse cenário como uma alternativa para as pessoas que precisam ou querem manter a boa saúde de sua boca e dentes, mas não tem dinheiro suficiente para arcar com esses tratamentos de maneira particular.

A maioria desses profissionais que são formados todos os anos, atende a que possui um plano odontológico e esse é um serviço que possui mais de 23 milhões de beneficiários.

Tão necessário quanto o plano de saúde, o convênio odontológico, além de tornar diversos tipos de tratamentos possíveis ainda garante uma imensa economia, especialmente para famílias.

Se você já possui ou está pensando em contratar uma assistência odontológica, vale a pena continuar lendo esse artigo e esclarecer todas as suas dúvidas.

Veja melhor o que é um plano odontológico e como ele funciona

O plano odontológico é um serviço que permite a quem o contrata ter acesso a diversos tratamentos referentes a saúde dos dentes e boca.

O contratante do plano, comumente chamado de beneficiário, deve arcar com o pagamento mensal de um valor que irá variar de acordo com a empresa que fornece o serviço e os serviços e atendimentos cobertos.

De acordo com o plano contratado é possível marcar consultas e procedimentos com profissionais da rede credenciada ou ir a um dentista particular e solicitar o reembolso, sendo o primeiro procedimento o mais comum.

A rede credenciada, por sua vez, é formada por profissionais e consultórios que possuem parceria com o plano odontológico contratado.

É ela que atende aos usuários, nesse caso, basta escolher um dentista mais próximo e agendar a consulta.

Para contratar um plano odontológico é simples, o primeiro passo é fazer uma vasta pesquisa sobre preços e serviços oferecidos e considerar aqueles que melhor se adequa às suas necessidades e condições financeiras.

O contrato pode ser feita por pessoa física, nesse caso é preciso buscar por um corretor que representa uma operadora de plano odontológico e possa lhe ofertar o serviço.

Ou por pessoa jurídica, ou seja, por empresas.

Nesse caso, a procura costuma ser por planos empresariais que possam ser oferecidos aos funcionários.

Quais são as coberturas disponibilizadas?

As possibilidades de coberturas variam muito de uma operadora para outra e conforme o plano contratado.

De modo geral, as operadoras de planos odontológicos devem oferecer os procedimentos que constam no rol da ANS que incluem tratamentos preventivos, atendimentos de urgência e emergência e outros. Independentemente do plano, determinados procedimentos devem ser cobertos.

Os procedimentos mais comuns, geralmente cobertos por todos os planos disponíveis no mercado incluem:

  • Procedimentos de limpeza;
  • Remoção de tártaro;
  • Aplicação de flúor;
  • Curativos, suturas e colagem de fragmentos;
  • Tratamento de cáries e restaurações;
  • Periodontia – tratamento de problemas gengivais;
  • Exodontia – extração de dentes;
  • E mais uma série de procedimentos e exames.

Porém, as operadoras têm liberdade de disponibilizar outros procedimentos que acharem necessários como ortodontia ou procedimentos estéticos.

O que cada um oferecerá estará disponibilizado no contrato do plano e quanto mais procedimentos atendidos, maior tende a ser o valor.

É interessante falar também sobre a cobertura geográfica do plano odontológico.

Existem planos que são apenas regionais, ou seja, cobrem apenas algumas cidades ou mesmo um único Estado.

Enquanto outros são nacionais, atendendo todas as regiões do Brasil.

Quando um plano odontológico possui uma cobertura nacional, isso significa que existem colaboradores e clínicas credenciadas em todos os Estados do país.

Procure verificar com seu corretor qual a condição de cobertura territorial do plano que você está pesquisando.

Se você já possui um, basta olhar na apólice o que consta de informação e depois busque na rede credenciada um dentista que atenda o local que está.

Existe carência para usar o plano?

Assim como na contratação de um plano de saúde comum, o plano odontológico também possui um período de carência exigido pelas operadoras.

Este costuma variar de acordo com a empresa e os procedimentos, podendo ser um período de espera de 24 horas ou até 180 dias.

Cada procedimento e situação possui um prazo diferente, assim como as doenças pré-existentes também possuem.

Mas isso não significa que não seja possível uma negociação para reduzir esse período de espera.

Por isso, vale a pena contar com um corretor especializado para ajudar nesse período de contratação do plano odontológico ou mesmo depois da contratação para negociar ou entender melhor os períodos de carência.

Como usar um plano odontológico?

Quem já possui um plano odontológico pode buscar por um profissional ou consultório na rede credenciada, essa busca pode ser feita online, por telefone ou no manual impresso de acordo com o que cada empresa disponibiliza.

Depois de localizar é preciso entrar em contato com o consultório para agendar a consulta.

Algumas operadoras disponibilizam esse procedimento online.

No dia marcado basta ir até o consultório com a carteirinha do plano e um documento de identificação para conseguir atendimento.

Existe algum tratamento que não é coberto pelo plano?

De modo geral é possível dizer que procedimentos exclusivamente estéticos como clareamentos, não são cobertos por nenhum plano odontológico.

Outra questão que não está diretamente ligada a questões estéticas, mas que também não costuma ser coberta pelos planos odontológicos são os implantes.

Fora essas duas situações, a cobertura ou não do tratamento dependerá diretamente da indicação do dentista e do que seu plano odontológico oferece.

Se os procedimentos estiverem incluídos poderão ser feitos sem nenhum custo adicional.

Entretanto, se precisar de algum atendimento não contemplado terá de pagar por ele de forma particular.

Uma boa notícia é que alguns dentistas costumam dar descontos para quem possui plano de saúde.

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *