Como funciona a cobertura para danos morais no seguro auto

Você ainda tem dúvidas sobre assuntos relacionados ao seguro auto, como as coberturas oferecidas? Quer entender melhor como funciona a cobertura para danos morais no seguro auto? Então fique por aqui e descubra as respostas.

Muitas dúvidas surgem quando precisamos contratar um serviço, especialmente se estivermos falando de um seguro auto.

Entre as questões referentes a essa modalidade, existe uma cobertura em especial que sempre promove dúvidas.

A cobertura para danos morais no seguro auto.

Se você quiser entender melhor como funciona a cobertura para danos morais no seguro auto, acompanhe esse artigo e tire todas as suas dúvidas sobre esse assunto. Veja mais.

https://www.smartia.com.br/blog/wp-content/uploads/2018/05/Como-funciona-a-cobertura-para-danos-morais-no-seguro-auto.jpg

Imagem: Getty Images

Entenda o que é e como funciona a cobertura para danos morais no seguro auto

Geralmente, a cobertura para danos morais no seguro auto se encontra inserida em outra cobertura, aquela conhecida como cobertura para terceiros, ou RCF-V – Responsabilidade Civil Facultativa de Veículos.

Ela sempre vem acompanhada pelas coberturas de danos corporais e materiais.

No entanto, essa não se trata de uma regra.

Então, o mais indicado é que o segurado sempre verifique com atenção, junto à sua seguradora, como essa cobertura está na sua apólice.

Em alguns casos a cobertura para danos morais no seguro auto trata-se de um serviço a parte e que deve ser contratado separadamente.

A cobertura para danos morais no seguro auto existe para que possíveis indenizações decorrentes de processos movidos por sinistros sejam cobertas.

Casos, por exemplo, em que o cliente insulta um terceiro depois de colidir com ele, e esse desacato é confirmado em juízo.

Essa cobertura também é útil quando o terceiro, lesado em um sinistro promovido pelo segurado, é diagnosticado como algum tipo de invalidez permanente, ou sofre alguma deformação.

Nessas situações a cobertura para danos morais no seguro auto deverá servir também para pagar indenizações e custas advocatícias e judiciais.

O que exatamente está incluso na cobertura de danos morais?

Para ser mais exato, a cobertura de danos morais engloba três tipos de danos que podem ser causados a uma pessoa pelo segurado, eles são:

  • Danos corporais ou pessoais: indenizações referentes a casos em que os terceiros envolvidos em um sinistro com o segurado sofram danos físicos mais severos como invalidez (temporária ou permanente) e morte. Além da indenização, essa cobertura promove também o reembolso de despesas hospitalares e médicas, promovidas pelo sinistro;
  • Danos morais: a cobertura para danos morais entra em ação quando existem indenizações que devem ser pagas pelo segurado, seja por calúnias, danos estéticos ou morais;
  • Danos materiais: o atendimento que normalmente mais interessa aos segurados dentro da cobertura para danos morais no seguro auto é o de danos materiais. Ele garante o pagamento de todos os reparos necessários a outra pessoa envolvida no acidente com o segurado. Sejam esses reparos referente ao conserto do veículo ou fachada da casa, por exemplo.

Como funcionam os valores indenizatórios da cobertura de danos morais?

É importante que você saiba que os valores indenizatórios são fixos e devem ser estipulados no momento da contratação do seguro.

Ou seja, é o seguro quem define o valor máximo indenizatório de sua apólice.

O valor funciona da seguinte maneira: o segurado define o valor na apólice e, todas as vezes que ele se envolver em um acidente e tiver que arcar com os custos de outra pessoa, as indenizações e reembolsos saíram do valor estipulado por ele.

Por exemplo, você contratou uma cobertura de danos morais de R$ 70 mil, se envolveu em um acidente.

Então, precisou arcar com custas médicas e uma indenização por invalidez que, juntas, somam R$ 45 mil.

Você ainda terá um saldo para a cobertura de danos morais de R$ 25 mil no seu seguro, podendo usá-la para o pagamento de futuros danos ou indenizações causadas por você até o vencimento da sua apólice.

Quando as indenizações ultrapassam o valor fixado, o segurado deverá arcar sozinho com a diferença.

A média atual do valor indenizatório nas contratações desse serviço fica em R$ 50 mil.

Mas esse é um valor que pode ser estipulado pelo segurado.

Então, é interessante que se pesquise uma margem ideal para cada caso.

O DPVAT pode substituir a cobertura para danos morais no seguro auto?

Se neste momento você se deparou com essa dúvida a respeito do DPVAT, saiba que sua linha de raciocínio está certa.

De fato, o DPVAT funciona de maneira quase idêntica à cobertura para danos morais no seguro auto.

No entanto, ele não pode substituir a cobertura contratada em seu seguro, por um simples motivo.

O DPVAT possui valores máximos indenizatórios e de reembolso muito baixos.

Logo, se você for intimado de maneira judicial a pagar as custas de uma pessoa e o valor máximo do DPVAT não for o suficiente para cobrir essa indenização, você deverá completar o valor com seu dinheiro (se não tiver cobertura do seguro).

Vale destacar que o pagamento de indenização por danos morais não precisa ocorrer apenas por demanda judicial.

Antes de acionar o Poder Judiciário, você e o terceiro envolvido podem chegar a um acordo amigável.

Nessa situação, a seguradora só precisará validar o acordo para liberar os valores.

Então, o segurado terá arcado com o necessário para “compensar” o terceiro.

A indenização por dano moral no seguro auto também pode ser exigida em uma ação extrajudicial.

De todas as formas, o acordo amigável costuma ser o que traz menos dores de cabeça.

Além disso, os processos burocráticos do DPVAT são demorados e bem difíceis e, os números de recusa de pagamentos indenizatórios vem crescendo a cada ano.

Por isso, contar apenas com ele não é muito interessante.

Existe franquia para a cobertura de danos morais?

Está é outra dúvida bem comum sobre a cobertura de danos morais e seu funcionamento.

Muitas pessoas se questionam se é preciso pagar a franquia do seguro quando ele é acionado para a cobertura de danos morais.

A resposta é não, essa cobertura não cobra franquia para ser utilizada.

Se você se envolver em um acidente com outra pessoa e causar danos ao veículo dela, basta acionar a cobertura para que o seguro providencie os reparos necessários sem nenhum custo adicional para você.

No entanto, lembre-se que você está livre da franquia apenas no reparo do veículo da outra pessoa.

Para que você possa consertar o seu carro através do seguro, será preciso sim que você pague a franquia estipulada em contrato.

A franquia nada mais é do que o valor de responsabilidade do segurado para o conserto do seu carro.

É por meio dela que seguradora e o indivíduo dividem os prejuízos com o veículo.

Imagine que seu carro sofra uma colisão, e seu conserto terá custo de R$ 5 mil.

A franquia do seu seguro é de R$ 1 mil e, por isso, você pagará R$ 1 mil à oficina.

A seguradora quitará os R$ 4 mil restantes necessários.

Mas vale destacar novamente que a franquia não é cobrada no acionamento da cobertura de danos morais de um terceiro.

Na verdade, o usuário só paga seguro para consertar seu próprio carro, e desde que o auto tenha sofrido perda parcial.

Considera-se como perda parcial os casos em que os danos ao veículo são inferiores a 75% do seu valor de mercado.

Compensa contratar a cobertura para danos morais no seguro auto?

Isso dependerá da cidade onde o segurado reside e das suas chances de promover um sinistro.

Se estamos falando de uma região onde acidentes são constantes, e se o segurado julgar que suas chances de causar um sinistro também são grandes, seja ele qual for, então sim, contratar essa cobertura pode ser um bom negócio.

O mais indicado é que o cliente pesquise as estatísticas de acidentes de sua região e converse com seu corretor.

Ele poderá ajudar na avaliação da necessidade de contratação desta cobertura.

O que a cobertura para danos morais no seguro auto não atende?

Existem algumas situações que não são atendidas pela cobertura para danos morais no seguro auto.

Os chamados riscos excluídos são:

  1. Não há cobertura de danos promovidos a pais, filhos ou enteados, cônjuges e irmãos do segurado, assim como a pessoas que possuam qualquer grau de parentesco ou que dependam financeiramente do segurado;
  2. Funcionários do segurado a seu serviço;
  3. Sócios ou colegas de trabalho da mesma empresa que o cliente;
  4. Bens de terceiros, danificados em acidentes por estarem em poder do segurado.

Como contratar cobertura para danos morais no seguro auto?

Para contratar uma cobertura para danos morais, você precisa manifestar esse desejo ao corretor do seguro.

Isso porque, essa proteção não costuma fazer parte dos planos básicos de seguro auto.

Depois dessa solicitação, será possível definir o valor da cobertura que será ofertada.

Normalmente, os segurados estabelecem, junto à seguradora, uma cobertura de R$ 50 mil para terceiros (incluindo danos morais).

Depois disso, o serviço será incluído na apólice.

Então, o motorista passará a ter acesso a essa cobertura sempre que precisar.

Posso não contratar cobertura para danos morais?

Como já citado, a cobertura para danos morais no seguro auto é um opcional da sua relação com a seguradora.

Então, se não considerar o serviço interessante, você pode sim deixá-lo de fora da apólice.

No entanto, ao não contratar essa proteção, o segurado pode ver seu patrimônio diminuir.

Afinal, caso ocorra um sinistro e você precise indenizar um terceiro, precisará tirar os valores do próprio bolso.

Sem a cobertura, a seguradora não pagará a indenização relacionada aos danos morais.

Pensando nisso, coloque na ponta do lápis os prós e contras dessa cobertura ao seu orçamento.

Normalmente, ela será uma adição bem-vinda e econômica.

Conversar com o seu corretor de seguros também pode ajudar nessa decisão.

Não se esqueça disso!

Funcionamento de um seguro auto

Em um seguro auto, a seguradora paga o prejuízo após um sinistro ocorrido com o carro.

Esse pagamento vai depender dos tipos de coberturas contratadas: apenas as listadas na apólice garantirão indenização ao segurado.

Por exemplo: se seu carro sofre uma colisão e você possui essa cobertura no seguro, será ressarcido do prejuízo.

Mas caso essa proteção não esteja listada na sua apólice, você não receberá nada da seguradora.

Na perda parcial, já explicada, o carro será consertado.

Porém, um veículo também pode sofrer perda integral.

A perda integral ocorre quando os danos ao carro superam 75% do seu valor de mercado.

Nessa situação, o auto não pode mais ser reparado.

Então, o usuário receberá a indenização integral do seguro.

O objetivo da indenização integral é liberar valores suficientes para a compra de um novo carro.

Ela também é paga quando o auto é roubado ou furtado, e não recuperado pela polícia.

Claro, se a apólice possuir cobertura para furto e roubo.

E o seguro com cobertura para danos morais?

As regras explicadas de perda parcial e integral também valem para o caso de cobertura a terceiros, inclusive na cobertura para dano moral.

Porém, não é preciso pagar franquia.

Além disso, caso a indenização prevista em apólice não seja suficiente, o segurado precisará completar a indenização ao terceiro tirando valores do próprio.

Um exemplo: o carro de um terceiro sofreu dano integral após uma colisão.

Como você foi o culpado pelo sinistro, deverá pagar indenização.

Sua apólice prevê indenização de R$ 50 mil, mas o veículo do outro motorista vale R$ 65 mil.

Então, a seguradora pagará R$ 50 mil a ele, e você precisará completar os valores com outros R$ 15 mil.

Agora que você conhece melhor o que é danos morais no seguro de automóvel e sabe como essa cobertura funciona, esperamos que assim você tenha mais clareza no seu dia a dia.

No entanto, se ainda houver dúvidas, vale a pena procurar seu corretor ou um profissional de confiança.

Solucione todas as suas dúvidas antes de contratar um seguro!

Assim, você terá maior segurança em contar com os serviços que realmente precisa.

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *