Plano de saúde para gestantes

O ideal é que o plano de saúde para gestantes seja adquirido antes de a mulher engravidar. Entenda o porquê no texto, e descubra como aproveitar a assistência médica ao máximo.

A chegada de um filho é um momento especial. A mulher fica radiante e costuma se dedicar à sua gestação e ao bebê, buscando a melhor alimentação e até a prática correta de exercícios físicos.

Nesse período da vida, ter um plano de saúde para gestantes também pode ajudar muito.

Como todos os médicos e agências de saúde no mundo indicam, fazer o pré-natal é algo fundamental para o sucesso de uma gestação.

Por meio do acompanhamento médico durante todo o período, a mulher obtém orientações, suplementos, atendimentos de urgência e mais. Tudo para que a sua saúde e a de seu bebê sejam garantidas.

Quem já optou por utilizar o serviço público de saúde durante a gravidez sabe que o acompanhamento pode ser feito por diversos médicos, e que nem sempre marcar uma consulta ou exame é uma tarefa fácil.

Por isso, muitas mulheres preferem utilizar o plano de saúde para gestantes. Afinal, seu serviço costuma ser bem mais completo e simples de usar. Se essa é a sua ideia, continue acompanhando o texto.

Assim, você poderá conhecer todas as informações sobre esse serviço e sobre como você pode usufruir dele.

Plano de saúde para gestantes

Qual a diferença entre o plano de saúde para gestantes e o plano convencional?

O plano de saúde para gestantes costuma ser mais completo. Ou seja, ele conta com mais coberturas do que os planos tradicionais.

Enquanto os convencionais possuem assistência ambulatorial e hospitalar, incluindo consultas, exames e internações, o para gestante, além dessas, contempla obstetrícia.

Os tipos de assistências disponíveis no plano de saúde variam de acordo com a segmentação assistencial do serviço. As segmentações são definidas e reguladas pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar).

Elas indicam os serviços mínimos a que cada consumidor tem direito em um plano.

São cinco as segmentações básicas de plano de saúde: a Ambulatorial, Hospitalar, Hospitalar Com Obstetrícia (HCB), Referencial e Odontológica.

Elas podem ser combinadas, para que o usuário obtenha uma assistência mais completa. Para contar com atendimento para toda a sua gravidez e parto, a mulher deve contratar a segmentação Hospitalar Com Obstetrícia, ou ainda a Referencial.

Na assistência Referencial, o consumidor tem direito a cuidados disponíveis nos planos ambulatoriais e hospitalares com obstetrícia.

A principal diferença dele para um plano HCB é que, neste caso, a internação é realizada em enfermaria.

Ao contratar um plano de saúde, também é importante que a mulher tenha atenção ao período de carência da assistência. Os prazos máximos de carência também são definidos pela ANS.

O que é essa tal de carência?

A carência é o prazo entre a data de contratação do plano de saúde e o dia em que é possível começar a utilizar dos atendimentos e procedimentos que a empresa oferece.

Como citado, é a  ANS  que determina os prazos máximos que podem ser solicitado pelas operadoras. Esses prazos variam por tipo de procedimento.

Atendimentos de urgência e emergência, por exemplo, têm carência de apenas 24 horas. Já a espera para a possibilidade de realização de um parto é de 300 dias, e de 180 para demais procedimentos, inclusive consultas e exames.

Além disso, a carência para doenças preexistentes é de 24 meses. Ou seja, para o cuidado de problemas que o usuário já sabia possuir ao contratar o plano.

É por causa do período de carência que o indicado é que a mulher adquira o plano antes mesmo de engravidar.

Assim, ela terá a certeza de contar com assistência durante toda a gestação. O tempo ideal é que a contratação seja feita um ano antes do início da gravidez. Assim, toda a gestação poderá ter atendimento particular de saúde.

Em todo o caso, partos prematuros ou decorrentes de complicações no processo gestacional podem ser feitos antes do fim do período de carência.

É importante ressaltar que, os prazos de carência definidos pela ANS são apenas máximos. Caso deseje, a operadora de saúde pode determinar um período menor para a espera do seu consumidor.

Já estou grávida. Consigo contratar um plano e usar todos os serviços?

Em algumas situações, é possível conseguir a isenção da carência e utilizar o plano logo após a contratação. Em um plano individual, isso é possível por meio da negociação direta com a operadora.

Geralmente, essa liberação do cumprimento do tempo de carência é feita mediante o pagamento de uma mensalidade um pouco maior para a contratação da assistência.

Outra possibilidade de a mulher ficar isenta do cumprimento da carência é contratando um plano empresarial ou coletivo por adesão.

Nesses casos, é preciso que ela ou seu cônjuge sejam colaboradores de uma empresa. Ou, então, adquiram um plano de saúde para gestantes por meio de sindicatos, associações e outros.

Assistências contratadas deste modo são isentos do cumprimento de carência.

Quero mudar de plano de saúde. Terei que cumprir toda a carência estando grávida?

O cumprimento de uma nova carência depende da forma como a mudança de plano é feita. Se optar por cancelar e contratar um novo plano de saúde, a mulher terá que cumprir todas as carências novamente.

Entretanto, ao optar pela portabilidade, a paciente pode aproveitar a carência que já cumpriu e ficar isenta desse intervalo na nova operadora.

As regras para portabilidade são definidas também pela ANS, e compõem um direito do consumidor. Desde, é claro, que ele esteja em dia com as suas mensalidades no plano atual.

Como gestante, posso escolher o hospital em que desejo realizar o parto?

A possibilidade de escolha pelo hospital na hora do parto depende da empresa. É preciso verificar as regras e coberturas do plano contratado.

O mais comum é que a mulher possa optar por um dos hospitais que fazem parte da rede credenciada de atendimento.

Outros planos possibilitam o reembolso de despesas obtidas em hospitais não credenciados. Nesses casos, é preciso que o paciente tenha atenção ao limite dos valores para reembolso.

Caso os custos ultrapassem o determinado em contrato, o usuário ficará responsável por quitar o extra, sozinho.

Quanto tempo tenho para ser atendida no plano de saúde para gestantes?

Após cumprir com as carências, existe um prazo máximo para que a mulher comece a ser atendida pelo plano. Os serviços de diagnósticos, como exames de sangue, devem estar disponíveis em 3 dias.

Já as consultas precisam ser disponibilizadas em 7 dias, exames complexos em 10 dias e procedimentos de alta complexidade em 21 dias.

Quero ter parto normal. Meu plano cobre?

Desde 2015, a ANS estabeleceu regras para a cobertura dos partos nos planos de saúde, incentivando os partos normais.

Graças a essa determinação, a mulher deve ser orientada pelo médico sobre quais os riscos e benefícios de cada um dos tipos de parto.

Assim, ela poderá decidir pelo que mais lhe agrada. Porém, se a cesárea não for tratada como necessária pelo médico, o plano de saúde fica desobrigado a cobri-la.

O objetivo dessa medida é tornar o parto normal mais comum. Esse tipo de nascimento traz uma série de benefícios à mãe e bebê, inclusive diminuindo o período de recuperação da mulher.

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), o ideal é o mundo registre, no máximo, 15% de cesarianas — mas, em 2016, essa taxa era de quase 19% dos nascimentos.

E depois que o bebê nascer: ele terá cobertura do plano de saúde para gestante?

Quando a mãe possui um plano de saúde com obstetrícia, o bebê fica coberto pela assistência durante os seus 30 primeiros dias de vida.

Nesse período, ele pode realizar consultas, exames, internação e demais procedimentos necessários para garantir que fique saudável.

Passado um mês, o bebê perde o direito a essa assistência. Caso a mãe deseje que a criança continue a receber cuidados particulares, ela pode contratar um plano específico, ou então incluí-lo como dependente em seu plano, com um plano de saúde para recém-nascido.

Quanto custa um plano de saúde para grávidas?

O valor do plano de saúde para gestantes pode variar de acordo com as coberturas ofertadas, operadoras, região e faixa etária da paciente.

Para que você possa ter uma ideia dos custos, fizemos um levantamento em algumas operadoras.

Utilizamos como base uma mulher de 26 anos, contratando um plano para pessoa física. Acompanhe a tabela e veja o que encontramos.

ESTADO OPERADORA PLANO VALOR
Amazonas Unimed Manaus Municipal QC R$ 524.14
Distrito federal NotreDame Intermédica Advance 700 QP R$ 541.77
Paraná Evangélico Saúde Personal Top Standard QC R$ 234.82
Pernambuco UniLife Exclusivo QC | Amb. + H R$ 191.28
Rio de Janeiro Assim Saúde Superior QP R$ 677.71
São Paulo Unimed Jundiaí Individual QP R$ 368.89
Sergipe HapVida Pleno QC R$ 397.96
 Ceará Unimed Ceará Premium QC R$ 390.55

Agora que você já sabe tudo sobre o plano de saúde para gestantes, já pode programar a chegada do seu bebê e contratar um bom convênio médico.

Se quiser saber mais valores para esse serviço, basta realizar uma cotação personalizada para a sua idade e cobertura.

*Fonte: MulticalculoSaude. Consulta realizada em Abril/18

*Este texto é de conteúdo editorial e não garante a comercialização deste produto nesse site.

*A Smartia.com.br não se responsabiliza pelos valores aqui mencionados, visto que o preço do plano pode variar conforme o perfil de cada beneficiário.

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *