9 mitos e verdades sobre o GNV que você precisa conhecer

Compartilhe em suas redes:

Com a atual crise dos preços dos combustíveis, muitas pessoas estão pensando em converter seus carros para o GNV. Mas, ainda existem muitas questões sobre esse assunto. Acompanhe esse artigo e conheça os mitos e verdades sobre o GNV.

Certamente, você já ouviu falar coisas como “a conversão para GNV prejudica o motor” ou “carros movidos a gás podem explodir”. Quando a conversa é sobre a conversão de combustível, especialmente o gás natural veicular, existem muitas dúvidas e crenças que pairam.

Para que, tais questões sejam desvendadas e todos os mitos e verdades sobre o GNV sejam esclarecidos, preparamos este artigo. Acompanhe e entenda melhor esse assunto.

9 mitos e verdades sobre o GNV que você precisa conhecer

Conheça os mitos e verdades sobre o GNV

  1. É verdade que o GNV é parecido com o gás que utilizamos na cozinha? MITO

Essa é uma das questões mais disseminadas como verdade entre as pessoas, e mais inverídica. As composições desses gases são bem diferentes, enquanto o gás de cozinha é rico em butano e propano, substâncias altamente inflamáveis e asfixiantes. O GNV é composto por basicamente por metano, 78% da sua composição sendo mais exato.

  1. O GNV é o combustível mais econômico que existe? VERDADE

Já está mais que comprovado que um carro com boas condições de conservação chega a alcançar níveis de até 50% de economia. Isso porque, veículos que abastecidos com o GNV apresentam naturalmente um rendimento até 30% maior. Além do que, o custo de abastecimento do GNV é bem mais baixo que dos demais combustíveis.

  1. Carros convertidos para GNV podem explodir? MITO

Talvez esse seja o mito mais divulgado sobre o GNV. Veículos que utilizam esse tipo de combustível, não correm nenhum risco de explosão por motivos bem simples. Primeiro que o gás natural veicular possui uma densidade menor que o ar, o que faz com que ele seja muito mais leve que o ar que respiramos. Segundo que todos os sistemas de GNV são compostos por válvulas de segurança que bloqueiam a movimentação do gás em caso de rompimento da tubulação ou compartimento de armazenagem.

  1. O combustível do veículo original deve ser usado vez ou outra? VERDADE

A conversão para GNV não substitui um tipo de combustível por outro, apenas torna o veículo bicombustível. Se depois da conversão você utilizar apenas o GNV, correrá o risco de que algumas peças ressequem e acabem estragando com o tempo.

  1. Existe a chance de as bombas de combustível queimarem com o GNV? MITO

Os sistemas de injeção eletrônica utilizados atualmente não possuem bombas capazes de queimar com o uso do GNV. Essa situação pode se promovida por uma junção de fatores, mas, não apenas pelo uso do GNV.

  1. O GNV é um combustível limpo? VERDADE

O gás natural veicular é um combustível de grande abundância e, apesar de ser fóssil é limpo. Capaz de emitir níveis muito mais baixos de resíduos nocivos ao meio ambiente.

  1. O gás natural veicular reduz a vida do motor? MITO

É exatamente pelo fato deste ser um combustível gasoso que ele não agride nenhuma das partes internas do motor. Ainda existe o fato dele ser limpo e promover menores índices de resíduos. Fatores que ajudam a prolongar a vida do motor e não reduzir.

  1. O governo oferece incentivos para carros com GNV? VERDADE

Algumas cidades brasileiras possuem programas de incentivo fiscal, como desconto no IPVA, por exemplo, para veículos a GNV. Exatamente por esse ser um combustível abundante e com menores índices de poluentes.

  1. Não conseguirei fazer um seguro auto se converter meu carro para GNV? MITO

Quando a conversão é feita de maneira correta e existem documentos que comprovem a legalidade da mesma, não existem impedimentos na contratação de um seguro auto.

Agora que os principais mitos e verdades sobre o GNV foram esclarecidos, não existem mais motivos para ficar em dúvida sobre a conversão do seu carro. Mas, lembre-se de procurar um profissional responsável e realmente competente para realizá-la.

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER:


Compartilhe em suas redes:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *