Tire suas dúvidas sobre a tabela FIPE e a Molicar

| Autor: Jeniffer Elaina

Está com dúvidas sobre a tabela FIPE e a Molicar? Não se preocupe! Neste artigo, você encontrará todas as informações mais importantes sobre essas duas tabelas. Confira!

Sempre que uma pessoa começa a procurar por preços de veículos, ela acaba se deparando com duas tabelas que funcionam como base de cálculo para preço dos autos.

São elas: a tabela FIPE, mais popular, e a tabela Molicar, menos conhecida que a anterior.

No entanto, sempre existem questões não muito claras sobre a tabela FIPE ou a Molicar.

Por exemplo: como os valores são definidos? Qual a melhor?

Pensando em mudar um pouco esse cenário, criamos esse artigo.

Com ele, você poderá sanar tais dúvidas e começar a escolher com mais cuidado a mais indicada ao seu caso.

Tire suas dúvidas sobre a tabela FIPE e a tabela Molicar

Imagem: Getty Images

Tire suas dúvidas sobre a tabela FIPE e como ela funciona

A tabela FIPE é desenvolvida pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, um órgão sem finalidade de lucro e privado.

Ela foi criada para facilitar as análises de cunho econômico e social da população brasileira.

Essa tabela funciona, basicamente, como uma fonte de pesquisa de valores de veículos novos e usados.

Seus preços são calculados conforme as características do veículo, como:

  • Tipo do motor;
  • Se ele é 0 km ou usado;
  • Tipo de combustível que utiliza;
  • Itens de segurança;
  • Tipo de direção e câmbio;
  • Ano de produção (fabricação) do veículo;
  • Modelo do carro; e mais.

Todas essas características permitem que sejam feitas consultas sobre o mesmo modelo fabricado em anos diferentes, por exemplo.

A tabela FIPE usa expressões de valores médios de mercado dos carros, baseando-se sempre em preços praticados em nível nacional.

Uma das questões mais recorrente sobre a tabela FIPE é sobre a exatidão dos valores encontrados nela.

A resposta para essa questão é que os preços praticados na tabela FIPE não podem ser considerados como exatos, visto que os valores dos veículos sofrem alterações conforme os itens de série, cor e região em que são comercializados.

Além, claro, do estado estrutural (de conservação) e diversos outros valores que interferem na avaliação de custo do produto.

Por essa razão, a tabela FIPE costuma ser utilizada apenas para fins corporativos.

Quando o assunto é a compra de um veículo de segunda mão (usado), o valor encontrado na tabela FIPE normalmente é considerado como ponto de partida para que acréscimos ou descontos sejam realizados sobre ele.

Isso considerando sempre o quão conservado está o carro.

Qual a relação entre a tabela FIPE e o seguro auto?

A tabela FIPE pode ser facilmente consultada pelo site oficial da fundação que a produz.

Além de contar com valores de carros, ela também possui os valores de diversos modelos de caminhões, motos e ônibus.

Vale dizer, ainda, que as seguradoras costumam utilizar os valores encontrados na tabela FIPE para a realização do pagamento de indenizações em situações de perda total.

Nos seguros, o uso da tabela FIPE como base será apontado no contrato do seguro auto.

O valor total da tabela será pago ao usuário se o veículo sofrer danos superiores a 75% do seu valor de mercado.

Assim o segurado poderá adquirir um novo carro, uma vez que o anterior terá sido inutilizado.

Alguns tipos de seguro também consideram porcentagens da tabela FIPE para pagar a indenização.

Normalmente para menos, como de 80% ou 90% da tabela FIPE.

De novo, esse uso será apontado na apólice, para que o consumidor esteja ciente da regra.

Os seguros que pagam menos do que 100% da tabela FIPE geralmente protegem carros leiloados ou são seguros populares, mais básicos.

Em casos específicos, as seguradoras também permitem a contratação do seguro com indenização maior do que o valor da tabela FIPE.

Como de 105% ou 110% dela.

Se o seu objetivo for ter segurança e um valor “a mais” após um sinistro integral com carro, essa pode ser uma boa opção.

Basta negociar com a empresa do seguro no momento de cotação do serviço de proteção.

Saiba o que é e como funciona a tabela Molicar

Diferentemente da FIPE, a tabela Molicar trabalha com informações mais detalhadas.

Imagine dois carros do mesmo ano de produção e modelo.

Eles podem ser muitos diferentes em configuração, devido os itens opcionais de fábrica, não é mesmo?

E quando um veículo é comprado, itens como banco de couro, ar-condicionado e transmissão automática, por exemplo, fazem toda a diferença no preço final do carro.

A tabela Molicar é estabelecida considerando todas essas possibilidades de variação.

Por isso ela é considerada mais detalhada e precisa em relação a quanto cada carro vale no mercado.

A Molicar é uma instituição independente, que não representa ou se vincula a organizações que comercializam veículos.

O primeiro trabalho (tabela) disponibilizado por ela é do ano de 1994, e transformou a Molicar em referência de mercado.

Exatamente por trabalhar com dados mais completos e confiáveis.

Isso acontece porque as informações utilizadas pela Molicar são obtidas em centros econômicos importantes e com empresas de credibilidade.

Todos os levantamentos realizados por ela são baseados nos 35 últimos anos de informações, estabelecendo valores médios.

Além disso, os dados obtidos são processados de maneira técnica, deixando os valores expostos na tabela Molicar ainda mais imparciais e próximos da realidade.

Assim como a anterior, a tabela Molicar pode ser acessada e pesquisada através de seu site oficial.

A diferença dela para a FIPE, nesse caso, é que, para realizar uma pesquisa no site, é preciso fazer um cadastro simples.

E apenas duas pesquisas mensais são gratuitas.

Caso queira realizar mais pesquisas por mês, é preciso comprar uma assinatura.

Para verificar a cotação do seu carro no site, será preciso indicar as seguintes informações:

  • Tipo de veículo;
  • Local de residência do indivíduo;
  • Marca do carro;
  • Ano de fabricação;
  • Modelo;
  • Ano do modelo e versão do automóvel.

Tabela Molicar também é usada no seguro auto

A tabela FIPE é gratuita e, por isso, costuma ser a mais utilizada pelas empresas ou pessoas físicas que vendem carros, ou mesmo pelas seguradoras.

Já a tabela Molicar é mais comum para quem deseja, realmente, informações detalhadas, desde que essa pessoa ou companhia esteja disposta a pagar pelos dados.

As variações estruturais da tabela Molicar também são consideradas na contratação de um seguro auto.

Mesmo que ela não seja muito comum entre as seguradoras.

Com ela, a empresa de seguro tem mais facilidade de perceber, por exemplo, que um veículo com freios ABS tem valor diferente de um veículo sem esse componente.

Então, o valor da indenização do seguro dos dois será diferente.

Vale dizer também que, tanto a tabela FIPE, quanto a tabela Molicar, são utilizadas na definição do preço do seguro.

Não simultaneamente, já que cada seguradora escolhe uma fonte de dados para trabalhar.

O ponto é que, quanto maior o valor de mercado do veículo, maior a chance do seu seguro ser mais caro.

Chance, já que outros fatores, como o perfil do motorista e local de tráfego, afetam o custo da proteção.

Por isso, o preço do seguro pode variar bastante se cotado com uma seguradora que usa a FIPE e com outra que utiliza a Molicar.

Diferenças entre a tabela Molicar e a tabela FIPE

Agora que ambas as tabelas foram explicadas mais detalhadamente, é possível comentar sobre as diferenças entre elas.

Sem dúvida, a principal diferença entre a tabela Molicar e a tabela FIPE é o seu detalhamento.

Ambas apresentam valores médios para compra e venda de carros, e também para a cotação de seguros.

No entanto, a tabela FIPE não considera itens mais específicos para a formação dos preços médios.

Apenas dados básicos, como o ano de produção e o modelo do carro.

Mesmo a tabela FIPE sendo mais generalizada em relação aos critérios de formação de preço, ela é ainda a mais usada pelas seguradoras.

Não apenas como base para definição do preço do seguro, como também no momento do pagamento da indenização em casos de perda total.

A tabela Molicar, por sua vez, é mais assertiva no que diz respeito à formação de preços.

Afinal, ela considera um número mais abrangente de detalhes e itens que alteram o valor final do produto.

Mas, mesmo sendo mais completa e precisa, a tabela Molicar não é tão utilizada por seguradoras.

Apenas algumas a usam para pagar as indenizações por perda total.

É importante dizer que as tabelas são leais e podem ser utilizadas como fonte de pesquisa para cotação de preços e realização de pagamento de indenizações.

A única diferença entre elas é que, enquanto uma é mais específica, a outra é mais genérica.

Qual tabela usar: FIPE ou Molicar?

Na hora de cotar um seguro, não é comum que o usuário possa escolher que tabela usar.

Ou a seguradora trabalha com uma, ou trabalha com a outra.

Agora, se você for vender seu carro, a sua escolha será livre!

Mas como eleger a melhor opção?

Nossa dica é simples: avalie bem seu carro!

Quando um veículo possui vários adicionais, poderá ser mais interessante utilizar a tabela Molicar.

Afinal de contas, essa tabela considerará cada item agregado e a mudança que ele provoca no valor do auto.

Enquanto isso, um carro mais simples poderá utilizar a tabela FIPE.

Especialmente porque o comprador do veículo, muito provavelmente, já terá consultado a FIPE.

Se não vir valor agregado ao seu veículo, e um custo muito diferente da FIPE, ele poderá perder o interesse no negócio.

A escolha pela melhor tabela só costuma ser feita no caso de uma transação com outra pessoa física.

Já as revendedoras, em sua grande maioria, se baseiam na FIPE para definir o quanto pagarão na compra de um carro.

Esperamos que as suas principais dúvidas sobre a tabela FIPE e a tabela Molicar tenham sido sanadas!

Ainda ficou algum questionamento no ar?

Envie-o nos comentários para a gente!

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *