Diferenças entre seguro auto e proteção veicular

Uma das muitas diferenças entre seguro auto e proteção veicular é que a proteção não é regulamentada pela SUSEP. Acompanhe o texto e descubra as demais distinções entre os serviços, e qual vale mais a pena!

Na hora de proteger o seu carro, é comum que os usuários pesquisem entre as várias opções disponíveis no mercado.

Normalmente, a prioridade é contratar coberturas contra roubo e furto, e a proteção contra colisões.

Considerando estes aspectos, é possível obter um seguro auto ou proteção veicular — mas eles possuem muitas diferenças.

Conhecer as diferenças entre seguro auto e proteção veicular é importante porque, com o tempo, sinistros podem ocorrer.

Então, você deve ter a certeza sobre o que pode contar.

Para que você não seja pego desprevenido, preparamos este texto.

Acompanhe-o e entenda as regras e regulamentação de cada proteção.

E principalmente, para não contratar uma proteção veicular achando que é um seguro!

Diferenças entre seguro auto e proteção veicular

Imagem: Getty Images

O que é a proteção veicular?

A proteção veicular é um produto comercializado por associações, e que oferece algumas coberturas para o carro.

As pessoas que contratam esse tipo de serviço passam a compartilhar os riscos de todo o grupo.

Isso significa que elas pagam um valor mensal para ter as coberturas contratadas e, caso algum sinistro ocorra, o dinheiro para cobrir os prejuízos sai de um fundo mútuo.

Quando não há valores suficientes neste fundo, todos do grupo devem arcar com os custos.

Imagine, então, que você contrate uma proteção veicular contra colisão.

Seu carro bate, e o custo para o seu conserto será de R$ 2 mil.

Como você está com suas mensalidades em dia, a associação responsável resgatará o dinheiro do fundo comum dos “segurados”.

Esse dinheiro irá quitar o seu prejuízo.

Agora, se não houver valores no fundo, os R$ 2 mil serão repartidos entre todos os associados.

Com uma proteção com 20 associados, cada um irá arcar com R$ 100 do seu prejuízo.

Assim, o reparo será feito normalmente.

Como escolher uma boa proteção veicular?

No caso da proteção veicular, checar a reputação das empresas é ainda mais importante.

Nesse caso, vale muito a pena pesquisar bastante sobre as reclamações, opinião dos clientes e principalmente, como eles agem em caso de sinistro.

Além disso, é preciso pesquisar se essas associações realmente existem e são legalizadas, para certificar-se que não trata-se de um golpe.

Como a proteção veicular pode ser considerado um serviço inferior a um seguro, por conta de seu risco envolvido, é preciso avaliar alguns pontos.

Um deles é se a proteção veicular possui um preço realmente mais acessível do que o seguro, e se o custo-benefício realmente compensa.

A cobertura assemelha-se bastante com a oferecida pelas seguradoras.

Porém, a assistência mencionada anteriormente, e o carro reserva, dificilmente são encontradas na proteção veicular.

Quanto à proteção veicular também é preciso tomar determinados cuidados, que não são necessários nos seguros.

O primeiro deles é a velocidade em que o atendimento é realizado em caso de sinistro.

Algumas proteções veiculares podem ser bastante demoradas.

Além disso, é preciso checar no momento do contrato, as peças a serem utilizadas para os reparos.

Muitas proteções veiculares utilizam peças piratas, para reduzir os custos, o que acaba saindo mais caro para o motorista, já que pode acabar danificando o carro.

Também vale ressaltar que as associações de proteção veicular podem vender sua carteira de clientes, ou simplesmente serem desfeitas.

Isso não acontece com as seguradoras.

O que é o seguro auto?

O seguro auto é um produto comercializado por seguradoras vinculadas à Susep (Superintendência de Seguros Privados).

Quem contrata um seguro passa a ser um cliente da empresa, e a seguradora assume todos os riscos envolvidos nas coberturas contratadas.

Com esse tipo de proteção, quando um sinistro ocorre e está previsto na apólice, o segurado tem o seu prejuízo coberto.

Caso o sinistro seja parcial, para o conserto do carro, a seguradora cobra, apenas, uma franquia.

A franquia é o custo de responsabilidade do consumidor para o conserto do veículo.

Ela é prevista em contrato, como um valor fixo ou percentual.

Se a sua franquia for de R$ 1 mil, e o conserto do veículo ficar em R$ 3 mil, você quitará R$ 1 mil para o reparo.

Já a seguradora pagará os R$ 2 mil restantes à oficina.

Também é possível contar com a indenização por perda integral no seguro.

A perda integral acontece quando os danos ao carro superam 75% do seu valor de mercado.

Nessa situação, o usuário recebe o valor total do veículo, para a compra de um novo.

A indenização integral também é paga quando o automóvel é roubado ou furtado, e não recuperado pela polícia.

Como escolher uma boa seguradora?

Para escolher uma boa seguradora também é preciso ter alguns cuidados, para que seja possível escolher uma boa empresa e uma boa proposta.

Além disso, também há seguradoras que prestam um mal atendimento e, em muitos casos, trazem transtornos para seus clientes.

Por isso, é preciso analisar a reputação da empresa (alguns sites da internet fazem esse levantamento), levando em conta as reclamações e elogios dos clientes.

Quando possível, peça indicações de amigos e conhecidos, pois assim, aumentarão as chances de escolher  uma boa empresa.

Um corretor nesse momento também pode ser de grande ajuda.

Depois de escolher uma seguradora de confiança, é hora de encontrar uma cobertura que atenda bem suas necessidades e estilo de vida.

É muito importante nesse momento, responder todas as perguntas com sinceridade, como por exemplo, onde o carro passa a noite, e o quanto você o utiliza.

Mentir nessas respostas para deixar o seguro mais barato pode fazer com que em caso de algum sinistro, a seguradora tenha o direito de se isentar de algumas responsabilidades, o que sairá mais caro para o segurado.

Além disso, tirar algumas coberturas importantes para baixar o valor do seguro pode ser uma má ideia, já que caso aconteça alguma coisa, o prejuízo será bem maior do que a cobertura que seria adquirida.

Por isso, esse momento é crucial, e tomar a melhor decisão pode fazer toda a diferença no futuro.

Para quem utiliza o carro com bastante frequência, contar com uma assistência 24 horas e carro reserva pode fazer uma grande diferença.

Esse carro é normalmente disponibilizado por até 7 dias, podendo ter esse prazo estendido.

Outras empresas oferecem um valor diário para ser utilizado em aplicativos de transporte.

Assim, a rotina do segurado pode ser mantida o mais próximo da normalidade possível.

No momento de contratar o seguro, contar com um corretor de seguro pode ser uma boa ideia, pois o corretor já está mais habituado com as coberturas, e pode oferecer a que tenha um melhor custo-benefício, de acordo com o que o segurado precisa.

Diferenças entre seguro auto e proteção veicular

Adesão

A adesão da proteção veicular costuma ser um pouco menos burocrática e rápida.

Nesse caso, é preciso, apenas, que seja feita uma inspeção no veículo.

Depois, há o pagamento da taxa de adesão, e a proteção já começa a vigorar.

Já no seguro auto, além da inspeção, é preciso aguardar que a seguradora faça a liberação do seguro.

Só então a primeira parcela será paga.

Análise de risco

De modo geral, qualquer usuário pode aderir a uma proteção veicular.

Isso porque, não é feita a análise do seu perfil de risco, assim como não é feita a do carro.

Já na contratação de um seguro auto, a seguradora analisa todo o perfil do segurado.

Isso significa que ela considera a idade do motorista, sua experiência no trânsito, o uso do carro (para passeio ou trabalho), onde o veículo permanece estacionado e mais.

Esses fatores permitem que a empresa defina as chances de sinistro do automóvel.

Assim, ela determina o custo e franquia do seguro de forma mais acertada.

Apólice

O seguro auto conta com uma apólice bastante detalhada, com todos os direitos e deveres do segurado e seguradora.

Na proteção veicular, por outro lado, não existe apólice.

O que existe é um contrato de responsabilidade mútua, no qual fica estabelecido que os riscos sejam divididos entre os associados.

Cobertura

Nesse quesito, as coberturas básicas costumam ser bastante semelhantes entre a proteção e o seguro.

Geralmente, são oferecidas a proteção contra roubo, furto, incêndio, colisão, indenização a terceiros e serviços de assistência 24 horas, como o guincho.

Entretanto, coberturas extras, como proteção para vidros, lanternas, faróis ou Carta Verde, só costumam ser encontradas no seguro auto.

Valores

A proteção veicular costuma levar vantagem em relação ao valor pago mensalmente.

Isso porque, o custo da contratação tende a ser menor do que o seguro auto.

Além disso, no seguro, as mensalidades são fixas, e na proteção veicular elas têm um valor variável.

O custo, no segundo caso, depende do prejuízo acumulado.

Pagamento de indenização

No seguro auto, a regra determina que o segurado receba a indenização em até 30 dias, conforme estabelece a lei.

Já na proteção veicular, o consumidor será indenizado de acordo com o fluxo de caixa existente.

Logo, o prazo de espera pelos valores pode ser mais longo.

Além disso, a indenização integral do seguro respeita o valor de mercado do veículo.

Para garantia do ressarcimento correto, costuma ser utilizada a tabela Fipe.

No caso da proteção veicular, porém, são comuns os relatos do pagamento da indenização abaixo do valor de mercado.

Afinal, novamente os valores dependerão do fluxo de caixa da associação.

Bônus

Quem possui um seguro auto e não aciona a seguradora, acumula pontos a cada ano.

Assim, quando a sua apólice é renovada, esses pontos se transformam em descontos para a nova contratação

Na proteção veicular, isso não ocorre.

Deste modo, mesmo que não haja nenhum sinistro, o consumidor não obtém nenhum tipo de vantagem na assinatura de um novo contrato.

Cancelamento

No seguro auto, o segurado pode solicitar o cancelamento do produto a qualquer momento.

Torna-se preciso pagar, apenas, o valor proporcional ao período em que o indivíduo utilizou o serviço.

Já na proteção veicular, os contratos costumam listar uma permanência mínima de 180 dias.

Se o serviço for cancelado antes disso, o usuário deverá pagar multa.

Proteção veicular ou seguro auto: qual contratar?

Por contar com uma série de regras, estabelecidas pela Susep, contratar o seguro auto costuma ser muito mais vantajoso.

Afinal, em caso de sinistro parcial ou total, o usuário terá a certeza de sua cobertura.

Inclusive no tempo correto, de até 30 dias após a entrega dos documentos necessários.

A proteção veicular, por sua vez, não é uma atividade regularizada pela Susep.

Por isso, seus contratos podem não ser cumpridos adequadamente.

Apesar de barata, a opção costuma trazer pouco custo-benefício.

Há vários casos, por exemplo, de prejuízo dos consumidores.

Proteção veicular e motoristas de aplicativo

O seguro auto para motoristas de aplicativo é mais caro, devido ao risco que esses carros são expostos.

Um carro, por exemplo, que antes de ser utilizado com esse objetivo, tinha um seguro que custava R$1100,00, passou para R$2300.

Por isso, muitos motoristas estão recorrendo a proteção veicular, como uma alternativa mais barata.

Nesse caso, o reparo precisa ser ainda mais rápido, pois cada dia que o carro passa na oficina, é um dia que o motorista deixa de ganhar dinheiro.

Em outubro de 2018, um motorista de aplicativo, após sofrer um acidente, deixou seu carro por mais de três meses na oficina, e durante esse tempo não pode trabalhar.

Essa demora ocorreu por conta das negociações entre a oficina e a associação de proteção veicular.

Há ainda, outro caso em que o motorista acabou tendo um prejuízo ainda maior com a proteção veicular.

Nesse caso, a oficina utilizou peças piratas, tentando deixar o serviço mais barato.

É importante frisar que esse tipo de prática fomenta o crime, e os casos de roubo e furto de automóveis, que são levados para desmanches e tem suas peças revendidas.

O motorista em questão, posteriormente, descobriu que seu carro teve o sistema de freio prejudicado, além de encontrar outras peças que não eram originais em seu veículo.

Agora que você já conhece as diferenças entre seguro auto e proteção veicular, avalie bem sua contratação.

Deixar o seu veículo protegido é fundamental para a segurança do seu dia a dia!

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER:

3 Comentários

  • Espíndola says:

    Oi, boa noite,

    Preciso contratar a cobertura do meu veículo.
    Preciso que indique alguém.

    Obrigado!

  • Manoel Jorge Florencio Cardoso says:

    Bom dia!

    Existe algum impedimento em uma associação de proteção veicular, usar em seus folhetos e ou panfletos, a propaganda de serviços de benefícios e seguros? Ainda que no contrato, conste ser uma prestadora de proteção veicular.
    Apenas a logomarca, diz ser uma empresa de seguros e benefícios.

    Obrigado.

  • Mario says:

    Oi,

    Em caso de sinistro não é necessário pagar franquia, só corrigindo sua colocação!

    Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *