Entenda por que o seguro para motos é mais caro

| Autor: Jeniffer Elaina

Você sabe por que o seguro para motos é mais caro? Então, tire suas dúvidas e entenda tudo sobre o seguro de motos.

Quando verificados os pagamentos do seguro obrigatório DPVAT, de janeiro a outubro de 2018, as motos corresponderam a 75% do pagamento das indenizações.

Isso indica que as motos são os veículos que mais se envolvem em acidentes, já alertando que podem gerar um alto custo em relação às indenizações.

Esse é o motivo pelo qual o seguro de moto é mais caro do que seguros auto.

Abaixo, nós falamos mais sobre o seguro de moto, seu preço e a relação com o DPVAT.

Continue lendo!

Entenda por que o seguro para motos é mais caro

Como funciona o seguro para motos?

Um seguro para motos funciona como qualquer outro, como os de carro.

Ou seja, após um dano à motocicleta, o usuário recebe indenização da seguradora.

Essa indenização pode servir para consertar o veículo, ou então para adquirir outro.

Essa última situação é mais comum, uma vez que a maioria dos seguros para motos cobrem apenas roubo.

Aliás, esse é um ponto essencial de avaliar na hora de contratar sua proteção.

Sua moto só será indenizada caso o sinistro ocorrido tenha cobertura na sua apólice.

Então, imagine que você contratou apenas uma cobertura básica, contra roubo.

Se sua motocicleta sofrer uma colisão, você não terá auxílio da seguradora.

Logo, terá que pagar sozinho os prejuízos.

Na hora de proteger seu bem, será preciso pesquisar bastante.

Isso já que nem todas as seguradoras oferecem seguro para moto.

Caso seu seguro tenha cobertura para perda parcial, você terá que pagar franquia após um sinistro.

A franquia é o custo de responsabilidade do segurado na hora de consertar a moto.

Ou seja, segurado e seguradora dividem os prejuízos.

Se o valor para reparo for de R$ 1.500, e sua franquia de R$ 500, você pagará R$ 500 à oficina.

A seguradora vai quitar os R$ 1 mil restantes.

No caso da perda integral, em que a moto não pode ser consertada, não há o pagamento de franquia.

Então, o segurado recebe o valor total de indenização do seu seguro.

Vale a pena contratar seguro para moto?

Muita gente se faz a pergunta desse subtítulo.

Afinal, se a proteção é tão cara, por que contratá-la?

Para adquirir um seguro para moto, a relação custo-benefício costuma ser levada em conta.

Nesse cálculo, o que deve ser considerado é o preço da moto e o preço de contratação dos serviços do seguro.

Caso essa relação seja interessante, o seguro também será.

Há proprietários mais conservadores que não gostam de correr risco e não hesitam em pagar altas taxas em seus seguros para se protegerem.

Esse perfil de compradores geralmente adquire todos os benefícios e coberturas que o seguro oferece.

Como indenização por colisão, roubo, furto, por danos corporais ou materiais a terceiros.

Nesse sentido, os seguros para moto vêm em duas modalidades principais.

Cobertura básica no seguro de moto

A  primeira é a cobertura de roubo e de incêndio.

Ela não possui assistência 24h, cobertura de colisão ou cobertura de danos a terceiros.

Seu foco é a proteção contra a situação mais recorrente entre as motos, o roubo.

Cobertura de danos no seguro para moto

Já a cobertura para danos materiais ou corporais a terceiros se responsabiliza por qualquer malefício causado a outrem no trânsito.

A combinação dessas duas opções, contra roubo e danos a terceiros, é a melhor opção.

Mas as coberturas para moto podem variar.

Especialmente segundo a seguradora.

Então, é essencial pesquisar a proteção em várias empresas.

Assim, você terá a certeza de fazer o melhor negócio.

Coberturas adicionais para contratar

As seguradoras oferecem coberturas adicionais variadas.

Com a escolha personalizada das proteções, você vai cuidar da sua moto considerando exatamente o risco a que está exposto no dia a dia.

As coberturas adicionais mais comuns para um seguro de motos são:

  • Colisão;
  • Danos a terceiros;
  • Incêndios;
  • Assistência 24h (com guincho, chaveiro etc.);
  • Cobertura para acessórios (como capacete);
  • Subsídio para a instalação de localizador, e outros.

Vale dizer que nem sempre as coberturas citadas são adicionais.

Algumas seguradoras, por exemplo, incluem a cobertura contra colisão como uma proteção básica do seguro.

O valor do seguro para motos também vai variar de acordo com os riscos.

Portanto, cada pessoa poderá pagar um valor diferenciado.

O importante é fazer uma cotação para entender qual o preço para a proteção que se busca.

O que encarece o seguro para moto?

Como já dissemos, o elevado índice de acidentes faz com que o seguro de moto fique mais caro.

Há também o elevado índice de roubos.

Tanto que, quanto mais visado é um determinado modelo, mais caro é o seu seguro.

As motos de cilindradas mais altas permitem que as pessoas corram mais e dessa forma faz com que os riscos aumentem.

É possível perceber que isso pesará no bolso.

Para completar, existe o perfil do condutor.

Se ele não possui um bom histórico ao pilotar, se envolvendo em acidentes ou tendo multas, o preço sobe.

Características como a idade do motociclista e o CEP também influenciam a análise de risco do seguro.

Quanto mais novo o piloto, mais cara tende a ser a proteção.

No caso do CEP, se as estatísticas indicarem um grande número de roubos na sua localidade, seu seguro será também mais caro.

Em algumas situações, o custo pode subir tanto que o valor do seguro auto pode representar cerca de 35% do valor comercial da moto.

Como reduzir o valor do seguro de moto?

É, sim, possível encontrar seguros de moto mais baratos.

Mas para isso é necessário tomar alguns cuidados na hora de contratar.

Uma dica é utilizar um rastreador.

Isso já faz com que o valor do seguro reduza significativamente.

Contratar um seguro junto com o rastreador pode ser uma opção, mas as coberturas oferecidas no geral também são mais limitadas.

Os alarmes são outros que ajudam a reduzir os custos do seguro auto.

Além disso, os hábitos de utilização da moto podem contribuir para conseguir seguro para motos mais barato.

Quando ela fica guardada em uma garagem, por exemplo, os riscos diminuem.

Então, seu seguro será mais barato.

Exemplos de seguros para motos

Para que você entenda como o valor do seguro de moto pode ser alto, separamos alguns exemplos do preço médio do seguro, o valor de mercado segundo a tabela FIPE e o percentual que a proteção apresenta.

Confira como ficou essa pesquisa.

Modelo Ano Preço médio do seguro Valor da moto Valor do seguro x Valor do veículo (%)
Suzuki GSX-R 1000 2013   R$ 4.500,00 R$ 38.166,00 11,79
Triumph Tiger 1050 2015   R$ 2.300,00 R$ 32.680,00 7,04
Honda CB Twister 2017   R$ 1.400,00 R$ 13.158,00 10,64
Kawasaki Vulcan S 2017   R$ 1.400,00 R$ 27.735,00 5,05
Yamaha XTZ 250 2016   R$ 1.400,00 R$ 13.890,00 10,08
BMW F 800 GS 2017   R$ 3.500,00 R$ 43.480,00 8,05
Honda CB 650 2016   R$ 2.000,00 R$ 29.092,00 6,87
Honda Biz 2016   R$ 1.100,00 R$ 7.044,00 15,62
Yamaha YZF-R3 2017   R$ 1.800,00 R$ 19.962,00 9,02
Honda Pop 100 2012   R$ 1.200,00 R$ 3.416,00 35,13

Nesses exemplos, é possível perceber que os seguros têm um valor elevado se comparado ao preço da moto.

Na nossa pesquisa esse percentual variou de 5,05% a 35,13%.

Depois de entender o porquê o seguro para motos é mais caro, você sabe que existem muitos riscos envolvidos nessa proteção.

Isso faz com que o seguro se torne mais caro, mas ainda mais indispensável.

Contratando o serviço, você terá a certeza de contar com o auxílio de uma seguradora se algo ocorrer.

Aproveite para fazer a sua cotação e não corra riscos desnecessários.

Seguro DPVAT é mais caro para moto?

Não é somente o seguro contratado com as seguradoras que possuem um alto valor.

O seguro obrigatório também é mais caro.

E o porquê de o DPVAT de moto ser mais caro é justificado pelos números.

Uma prova disso é que, em 2018, o valor desse seguro para os automóveis teve uma redução de 35% em seu valor, passando para R$ 41,40.

Já o de motocicleta não teve redução, continuou custando R$ 180,65, para cobrir as despesas.

Em 2019, o custo do seguro DPVAT para carros foi de apenas R$ 16,21.

Para um proprietário de motocicleta, o valor do seguro foi de R$ 84,58.

Como citamos, quando verificados os pagamentos do seguro obrigatório DPVAT, a constatação é que as motos respondem por mais de setenta e cinco por cento do pagamento das indenizações.

Porém, as motos correspondem a apenas a 27% da frota nacional — desproporcional, não é mesmo?

O seguro obrigatório de veículos (DPVAT) cobre indenizações por morte, invalidez permanente e reembolso de despesas hospitalares.

Quando comparadas aos carros, as motos deixam seus condutores e passageiros mais vulneráveis aos acidentes no trânsito.

O número de vítimas fatais e danos irreversíveis é maior nos acidentes com motocicletas.

E esse é um dos motivos pelo qual o seguro obrigatório é consideravelmente mais caro.

De qualquer forma, não se esqueça que o seguro DPVAT não substitui o seguro para motos.

O DPVAT não vai cobrir prejuízos com o veículo.

Então, se não tiver seguro para a sua moto, você terá que consertá-la sozinho.

Ou adquirir uma nova, em caso de perda total ou roubo.

*Smartia.com.br não se responsabiliza pelos valores aqui mencionados, visto que o preço do seguro pode variar conforme o perfil de cada motorista.

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER:

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *