Como contratar um bom plano de saúde

| Autor: Jeniffer Elaina

Você sabe definir o que faz um bom plano de saúde? Entre outras coisas, um bom plano é aquele que possui as coberturas que você precisa, e que também conta com a autorização da ANS. Acompanhe o texto e entenda melhor como contratar a melhor assistência para a sua saúde.

Ter um plano de saúde permite que o usuário se cuide melhor, já que é possível ter acesso mais simples a médicos, exames e outros procedimentos sempre que precisar.

Mas encontrar um bom plano de saúde para você e sua família pode ser algo trabalhoso. Afinal, são muitas as opções do mercado.

Na hora de contratar um serviço de assistência médica, é preciso ficar atento a uma série de fatores. Um deles é a fama da empresa no mercado, além da sua autorização para atuar.

Apenas as operadoras registradas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) podem atuar no ramo.

Para te ajudar a fazer a escolha certa, produzimos esse texto. Acompanhando o conteúdo, você saberá tudo o que precisa analisar antes de assinar o contrato da assistência. Continue lendo!

Como contratar um bom plano de saúde

Imagem: Getty

O que analisar na hora de contratar um bom plano de saúde?

A segmentação assistencial

Plano de saúde não é tudo igual. A ANS classifica os planos de saúde conforme a sua segmentação assistencial.

As segmentações definem quais os procedimentos de cobertura obrigatória pelas operadoras.

São cinco as segmentações principais: a Ambulatorial, Hospitalar sem Obstetrícia, Hospitalar com Obstetrícia, Referencial e Odontológica.

Caso o consumidor deseje, as segmentações podem ser associadas em um único plano. Assim, a assistência contratada será mais completa.

Os planos ambulatoriais são aqueles que oferecem consultas médicas, exames clínicos, procedimentos ambulatoriais e tratamentos.

Neles, os atendimentos com internação só podem ser realizados em casos de urgência e emergência. Nesses cenários, o plano só cobre a internação por, no máximo, 12 horas.

Já a cobertura hospitalar garante todos os atendimentos ambulatoriais, além da possibilidade de internação por tempo indeterminado.

Se a segmentação hospitalar possuir a Obstetrícia, a mulher pode realizar todo o seu pré-natal por meio do plano.

Além disso, a operadora faz a cobertura do parto e dos primeiros 30 dias de vida do bebê. Após esse período, é necessário contratar um plano específico para o recém-nascido.

Enquanto isso, a cobertura de referência é uma combinação do plano ambulatorial com o hospitalar com obstetrícia. A segmentação oferece a possibilidade de internação em enfermaria. Ou seja, em um quarto compartilhado com outros pacientes, geralmente do mesmo sexo do beneficiário do plano.

Por fim, há o plano odontológico. Ele é o ideal para o cuidado com a saúde bucal do indivíduo, e prevê procedimentos como limpeza dos dentes, consultas, exames e atendimentos de urgência e emergência odontológicos.

Antes de optar por um plano, é  preciso verificar as suas necessidades de atendimento. Assim, você terá a certeza sobre qual segmentação assistencial contratar.

Coberturas do plano

Os planos de saúde devem oferecer alguns procedimentos mínimos aos seus beneficiários.

Essas coberturas obrigatórias variam por segmentação do plano, mas ficam listadas no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde da ANS.  Sempre observe se o que a ANS determina aparece no seu acordo de contratação.

De qualquer forma, algumas empresas vão além e oferecem coberturas e procedimentos extras. Veja quais são as suas necessidades e pesquise sobre os planos que oferecem esses atendimentos.

Autorização de comercialização do plano

Para que um plano de saúde seja considerado bom, é preciso que ele cumpra com os requisitos estabelecidos pela ANS. Por isso,

verifique se a operadora tem autorização para atuar, e se o plano têm autorização para ser comercializado. Essas informações podem ser encontradas no site da Agência.

Avaliação da operadora

As operadoras recebem pontos conforme o seu desempenho, e esses podem ser atribuídas por clientes ou pela ANS.

A ANS verifica critérios técnicos e confere uma nota. Quanto maior for essa nota, melhor classificada estará a operadora no site da Agência.

Busque também verificar o índice de reclamação dos clientes junto à ANS e em outros sites, como o Reclame Aqui.

Se houverem muitas reclamações ou comentários negativos sobre a empresa, é melhor buscar outras opções para contratar.

A rede credenciada

Uma operadora pode oferecer uma série de benefícios e coberturas, mas esses aspectos não farão diferença não possuir uma boa rede credenciada.

A rede credenciada nada mais é do que a lista de locais de atendimento pelo plano.

Hospitais, clínicas, locais para exames e mais. A quantidade de profissionais que atende pelo plano é igualmente importante.

Antes de contratar o plano, verifique quais são os locais de atendimento e se eles ficam próximos da sua casa.

Quanto mais opções houver, maiores as chances de você ser atendido rapidamente, principalmente em urgências. A amplitude de opções também facilita a escolha por um profissional de sua preferência.

Proposta de adesão

Um bom plano de saúde é aquele que te entrega por escrito tudo o que lhe foi prometido. Depois de conversar com o corretor e buscar informações sobre o serviço, verifique se tudo está especificado em contrato.

Caso não conste alguma informação ou o texto esteja confuso, fique atento, pois isso pode causar dificuldades na hora de utilizar o serviço contratado.

Custos para a família

Se o objetivo for contratar um bom plano de saúde para a família, pesquise entre as operadoras que oferecem coberturas familiares.

Normalmente, o custo maior do plano é cobrado do titular da assistência. Depois, vêm as taxas dos seus dependentes, pouco menores.

Escolha apenas as operadoras que oferecem esse tipo de “desconto”. Assim, você poderá cuidar de quem ama, mas economizando.

Reajuste do plano

O custo do plano de saúde é um dos principais fatores a ser considerado na hora de contratar uma assistência. Afinal, os valores influenciarão diretamente a vida financeira da sua família.

Vale a pena pesquisar bastante entre as operadoras, pois os custos dos planos variam muito entre as empresas.

Também é importante ter a certeza sobre como o reajuste do plano ocorrer. Ele pode acontecer por faixa etária ou periodicidade, como de modo anual.

De acordo com a ANS, existem 10 faixas de reajuste: do nascimento aos 18 anos, de 19 a 23 anos, de 24 a 28 anos, de 29 a 33 anos, de 34 a 38 anos, de 39 a 43 anos, de 44 a 48 anos, de 49 a 53 anos, de 54 a 58 anos e de 59 anos ou mais.

Segundo a Resolução Normativa (RN nº 63), “o valor fixado para a última faixa etária (59 anos ou mais) não pode ser superior a seis vezes o valor da primeira faixa (0 a 18)”.

Além disso, “a variação acumulada entre a sétima e a décima faixas não pode ser superior à variação acumulada entre a primeira e a sétima faixas”.

Considerando todas essas regras, acompanhe os últimos reajustes da operadora e tenha a certeza de que eles não foram abusivos. Com esse cuidado, você terá maior segurança em pagar pelo plano apenas o que é justo.

Modalidade de pagamento

O que é bom para um cliente, pode não ser para outro, porque as necessidades mudam. Além de verificar a forma de reajuste da assistência, é preciso entender a forma de cobrança de mensalidade.

Para quem usa um plano de saúde poucas vezes por ano, o mais indicado é ter um plano coparticipativo, pois ele possui uma mensalidade menor.

Neste tipo de assistência, quando algum procedimento é utilizado, é cobrada uma taxa de participação. Ao fim, há certa economia de valores, já que o custo mensal é menor,

Já quem usa bastante muito o seu plano pode se beneficiar um pouco mais de um plano sem coparticipação.

Nesse caso, o valor da mensalidade é fixo e, apesar de ser um pouco maior, ela não recebe nenhum acréscimo quando o paciente utiliza a assistência. Os valores fixos podem te ajudar a programar o orçamento de casa.

Carência do plano

A carência de um plano de saúde é o intervalo entre a contratação da assistência e a data em que é possível começar a utilizá-la. Esse intervalo é autorizado pela ANS, e varia conforme o procedimento.

A espera para a realização de um parto, por exemplo, é de 300 dias. Muitos outros procedimentos devem aguardar 180 dias para serem utilizados.

É importante dizer, porém, que a carência estabelecida pela ANS é apenas um período máximo. Se as operadoras desejarem, podem oferecer o atendimento ao usuário bem antes do período determinado.

Caso seu objetivo seja a assistência imediata, procure por uma empresa com carência menor.

Algumas das operadoras também podem concordar em cobrar uma taxa extra para desconsiderar o prazo de carência.

Liberação de procedimentos

Um plano de saúde que dificulta o acesso aos procedimentos ou possui muitos trâmites burocráticos costuma não agradar.

Busque por um que libere automaticamente as solicitações de consultas, exames e cirurgias, ou que permita que isso seja feito de forma simples e rápida.

Ter que aguardar vários dias ou semanas para ter acesso a uma cobertura que está contemplada no seu plano acaba tornando o serviço inviável.

Regiões de cobertura

Sempre que possível, é interessante que o seu plano de saúde atenda em todo o Brasil. Especialmente se você tiver o costume de viajar.

Com esse tipo de assistência nacional, você não precisaria depender do Sistema Único de Saúde (SUS) ao sair da sua cidade.

Vale lembrar que, em viagens internacionais, você precisa contratar um seguro saúde. A opção é bem diferente de um plano de saúde comum.

Valores dos planos de saúde

Os valores dos planos de saúde variam bastante, até mesmo dentro da mesma operadora. Isso acontece porque as empresas oferecem coberturas diferentes por plano, e também uma rede de abrangência diversificada.

Por isso, é importante solicitar a cotação do plano. Apenas assim você terá a certeza sobre quanto irá pagara pela assistência.

De qualquer forma, é provável que você deseje ter uma ideia sobre os valores de um bom plano de saúde. Por isso, listamos a seguir alguns dos valores praticados no mercado. Acompanhe!

ESTADO OPERADORA PLANO VALOR
Amazonas Hapvida Nosso Plano QC R$ 135.52
Bahia União Médica União Médica QC Copart R$ 185.13
Ceará Gamec Standard QC R$ 145.74
Espírito Santo MedSênior Safira QC R$ 618.57
Minas Gerais Vitallis Saúde Prata QC R$ 113.68
Paraná Unimed Curitiba Uniplan QC R$ 446.34
Pernambuco Hapvida Nosso Plano Amb. R$ 69.49
Rio de Janeiro Assim Saúde Clássico QC R$ 189.84
Rio Grande do Norte Unimed Natal Uniflex XX QC R$ 132.03
São Paulo Ana Costa Saúde Individual QC R$ 161.72
Sergipe Plamed Exclusive QC R$ 141.37

Fonte: Multicalculosaude. Consulta feita em Janeiro/18.

Na hora de contratar plano de saúde, lembre-se de solicitar uma cotação personalizada. Afinal, os custos e coberturas podem variar muito conforme a região, perfil do usuário, operadora e tipo de plano escolhido.

*A Smartia.com.br não se responsabiliza pelos valores aqui mencionados, visto que o preço do seguro pode variar conforme o perfil de cada motorista.

*Este texto é de conteúdo editorial e não garante a comercialização deste produto nesse site.

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER:

4 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *