Seguro e seus conceitos

Desde que o homem é homem, sabe que viver é correr riscos. Todos gostariam de evitar alguns riscos negativos. Porém, na maioria das vezes, é necessário enfrentá-los. Aí que surge o princípio de evitar, dividir e até transferir os riscos. Mas transferir consequências negativas de um fato não é tão simples – é preciso que alguém esteja disposto a assumi-lo por você.

Agora, vamos às origens. Imagine você a era das grandes navegações. Alguns comerciantes enfrentavam os perigos e a instabilidade do mar empenhando todos os seus investimentos no carregamento de uma embarcação. O risco de naufrágio era iminente, porém correr este risco era necessário.  Como fechar as portas comerciais e não abrir novos mercados? Mas nem todos os instrumentos e conhecimentos marítimos podiam evitar naufrágios.  Foi aí que a necessidade fez o homem pensar e buscar ajuda. A ideia foi agruparem-se e distribuírem o risco, e, desta forma, minimizar as perdas. O nome deste conceito é mutualismo – uma associação que visa suportar coletivamente as perdas de eventos individuais, ao invés de deixar o indivíduo sozinho, sofrendo todas as consequências isoladamente.

Porém, surgia mais um questionamento. Como seria possível calcular estas perdas? Aí entraram os conceitos estatísticos. Analisando a ocorrência de eventos similares é possível estabelecer a frequência com que um fenômeno acontece. Assim, os participantes conseguiram chegar a um valor que representava a frequência com que ocorriam naufrágios em uma região. Este raciocínio levou os marinheiros a uma equação simples. Cada um pagaria: o valor do barco, somado ao valor da carga, multiplicada pelo número de naufrágios e dividida pelo número de participantes. Este é o preço do seguro contra naufrágios, chamado preço estatístico.

Se a cada 100 navios, um afundasse, o prêmio estatístico pago por todos os 100 ajudaria a repor as perdas do que naufragou. É assim que nasce o seguro.

Portanto, ter um seguro é a maneira mais fácil de repor uma perda eventual, compensando os eventos do acaso pela mutualidade, organizada segundo as leis da estatística.

É a melhor maneira de distribuir os riscos e minimizá-los. Tudo isso traz ao ser humano uma sensação importante de se ter na vivência do dia a dia – tranquilidade!

E você? Vai correr os riscos ou adotar uma medida simples, mas de grande valia, raciocinada e comprovada pelos grandes e sábios navegadores?

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE LER:

Deixe um comentário

Seu e-mail nunca será divulgado. Campos obrigatórios estão marcados com *.

*
*